25 de dezembro de 2012

Sidequest #45 - As 30 melhores aventuras do D&D (Ou Não) - Parte II


Olá olá jogadores de RPG! Hoje é dia de postagem, e não só isso, hoje é dia de continuação! Novamente baseado no artigo sobre as Aventuras Clássicas que Todos os RPGistas Deveriam Jogar, publicado na Dragon 116. No último artigo foram cobertas as aventuras do trigésimo ao vigésimo primeiro lugar da lista. Hoje, eu falarei um pouco mais sobre as aventuras que estão entre o Vigésimo e o Décimo Primeiro lugar.

Vamos começar?


20. Scourge of the Slave Lords, 1986 (A1-4) - Esta aventura é, na verdade, uma compilação de 4 módulos antigos do cenário de Greyhawk, adaptados e atualizados para o AD&D 1st Edition. Estes 4 módulos são compostos por aventuras simples, onde algumas delas são focadas inclusive para torneios (Sim, existem torneios de RPG). Juntas, elas formam uma mini campanha onde os Heróis devem livrar os reinos de um bando de escravagistas que estão acabando com a população, passando pelas etapas iniciais de descobrir onde eles se escondem, invadindo seu covil principal, sendo capturados e se tornando escravos e, por fim, salvando o dia no final. Eu, particularmente, acho um exagero terem considerado essa aventura, tendo em vista que os módulos não funcionam em separado e eu não consigo entender também a importância histórica real que eles tiveram.


19. Against the Cult of the Reptile God, 1982 (N1) -  Passada em Greyhawk, esta aventura veio para provar que personagens de nível baixo podem ser tão ou mais interessantes do que os personagens de nível mais alto. Aqui, os heróis chegam na vila de Orlane, onde algo esquisito está acontecendo. Alguns cidadão são felizes e receptivos, enquanto outros são chatos e fechados. Investigando um pouco mais, eles decobrem que ela está sendo assolada por um culto estranho e maligno e devem tomar providências a respeito.


18. The Hidden Shrine of Tamoachan, 1980 (C1) - Esta aventura é bem legal, lembra MUITO a clássica Tomb of Horrors. Aqui, os personagens devem invadir uma pirâmide asteca dentro de uma floresta tropical. Uma das coisas mais legais dessa aventura é que ela tem muito mais armadilhas e surpresas do que monstros propriamente ditos.


17. Ruins of Undermountain, 1991 - Essa aqui eu tenho, e AMO. É interessante dizer que se trata muito mais de um livro descritivo do que uma aventura propriamente dita. A maior e mais mortal dungeon de todas está descrita (ou pelo menos, seus dois primeiros andares) neste livro. Há ainda um livreto com várias mini-aventuras que servem para levar os personagens para dentro de Undermountain.


16. Isle of Dread, 1980 (X1) - Esta aventura é classicamente fantástica. Ela foi fundamental para introduzir jogadores e mestres a um tipo de exploração bem diferente do dungeon crawl: A exploração de ambientes selvagens. Aqui, os personagens descobrem informações sobre uma ilha estranha, repleta de tesouros incontáveis e são enviados para lá. A aventura se inicia na vila de Tanaroa, absolutamente igual à vila selvagem vista em King Kong. Os personagens explorarão a ilha em todos os seus aspectos, passando por criaturas desconhecidas, piratas, dinossauros e cultos antigos, obtendo muitos tesouros para cada sucesso que conseguem atingir.


15. Castle Amber, 1981 (X2) - Já falei desta aventura aqui, e muito mais da continuação dela. Passada em Mystara, aqui os personagens exploram um castelo/mansão mal-assombrada que pertence à família Amber. Enquanto passam uma noite em Glantri, os personagens se veem levados a um castelo estranho, cercado por uma névoa mística que os impede de sair de lá. A névoa é resultado de uma maldição jogada por um mago poderoso da família Amber, Etienne d'Ambreville, em seus parentes gananciosos que o mataram. Para fugir do castelo, os heróis devem explorá-lo por completo, afim de descobrir um meio de quebrar a maldição.


14. Dead Gods, 1997 - Também já falei bastante desta aventura aqui no blog. Ela conta a história de como Orcus deixou de ser um deus esquecido e passou a ser um deus maior novamente. A aventura é marcada pela grande quantidade de vezes que os personagens mudam de planos (de existência).


13. Dwellers of the Forbidden City, 1981 (I1) - Pra mim, esta aventura deveria estar muito além do décimo terceiro lugar, acho que pelo menos quinto ou quarto lugar ela merecia. A aventura começa com os heróis ouvindo relatos de bandidos atacando caravanas em uma região de selva. A maioria dos mercadores e guardas foram atacados e mortos, mas todos os que conseguiram voltar vivos contaram histórias de plantas deformadas e bestas mortais. Os heróis então são contratados basicamente para recuperar bens preciosos que se perderam num destes ataques. Chegando na selva, eles encontram uma vila de nativos e são convidados a ficar. Lá eles descobrem que os responsáveis pelos ataque são criaturas conhecidas como Yuan-ti (Que estrearam no D&D nesta aventura). Esta aventura traz MUITAS opções de interação para os personagens, possibilitando que eles consigam inclusive escolher por levar a aventura na base dos diálogos ou na base da ação.



12. The Forje of Fury, 2000 - Esta aventura foi publicada em português, e ainda é facilmente encontrada em livrarias com sobras de livros de RPG e em sebos. Sinceramente, eu não sei o que ela está fazendo aqui nesta lista. A saga do dragão Ashardalon que abriu o D&D 3.0 e serviu para mostrar o sistema para o pessoal foi realmente muito marcante, porém, de todas as aventuras que a compõem, esta é uma das mais sem graça. Formada basicamente por Dungeon Crawl, aqui os personagens devem explorar a antiga fortaleza de Khundrukar, povoada basicamente por goblinoides, em busca de lendárias lâminas mágicas forjadas pelo anão Duggerdin.


11. The Gates of Firestorm Peak, 1996 - Esta aventura foi escrita basicamente para mostrar as novas regras publicadas nos Player`s Option, livros com regras alternativas do AD&D. Imagino também que esta aventura está aqui por apresentar o Far Realm, a dimensão Lovecraftiana que a Wizards of the Coast explorou exaustivamente nas aventuras do D&D 3E. Esta aventura se passa nos arredores de uma montanha conhecida como Firestorm Peak. Há muitos séculos, um mago insano abriu um portal para a dimensão conhecida como Far Realm, com o intuito de controlar as criaturas que lá existiam. Seu ritual deu certo e a cada 27 anos, o portal se abre, libertando diversas criaturas bizarras e transformando os arredores da montanha em uma área totalmente alienígena (ou aberrante). Acontece que um novo mago deseja obter o controle sobre estas criaturas alienígenas, e os personagens devem lutar para que toda a realidade não se transforme em algo temível.

Então galera, por hoje é só mais uma vez. Aguardem a última parte da lista em breve, com diversas surpresas, ou não. Espero que estejam gostando da nova temporada de postagens do blog.

No mais, nada mais,

See ya o/

Nenhum comentário: