6 de janeiro de 2011

Sidequest #41 - Magic vs D&D

Olá pessoas! Ano novo, posts novos! É o que eu sempre digo! Como prometido, este blog não vai morrer, e sempre que eu tiver um tempo, estarei sempre postando coisas legais, achados ou coisas Old School.

Pois bem. Estava eu humildemente fazendo uma limpeza nos livros e revistas velhas da grande coleção de impressos que tenho aqui em casa, quando acho uma antiga revista Inquest, da época que eu jogava Magic (Ganhando 10 reais por semana e gastando 15 com Magic, mas isso é outra história). A edição que encontrei foi a de Setembro de 1998. Dentro dela, havia uma matéria muito legal a respeito de um hipotético crossover entre Magic e D&D.

A Inquest era famosa por fazer este tipo de piada. Uma edição antes eles gastaram algumas páginas descrevendo o universo inteiro da Saga de Urza para D&D, com os principais NPCs e tudo mais. Como eu achei essas cartas muito criativas (E algumas muito úteis), resolvi trazer algumas legais aí abaixo:


Então galera, espero que vocês tenham gostado das cartinhas. Se alguem tiver alguma dúvida sobre o texto das cartas ou sobre a tradução é só deixar um comentário que eu terei prazer em ajudar.

Por hoje é só galera, espero que tenham gostado.

See ya o/

5 de janeiro de 2011

Mystara #9 - República de Darokin


Olá pessoas! Faz tanto tempo que não posto aqui! Gostaria de pedir desculpa pela demora de uma nova postagem, mas é que no final do ano é a hora que temos menos tempo. O projeto Pandius Brasil não morreu, e espero que ele não morra mesmo. Como ninguem ajuda nas traduções, eu vou fazendo de pouquinho em pouquinho que a gente chega lá. Estamos no número 9, e adianto que faltam mais 3 posts para acabar com tudo e eu começar a elaborar o Netbook compilando todos os artigos. Como em todo post que faço eu sempre trago uma novidade, esse aqui nao poderia ser diferente. Recentemente comprei o livro básico do Old Dragon, o sistema de RPG que todo jogador/mestre old school deveria experimentar. A parada é simplesmente fantástica! Com um tratamento gráfico incrível. Inclusive, o pessoal da Jambô deveria contratar esses caras para diagramar os livros de Tormenta, que andam muito baixo-astral ultimamente. A grande novidade é que assim que terminar o projeto Pandius Brasil, eu provavelmente começarei o Old Dragon's Breath, focado em fornecer material descritivo legal para esse sistema tão promissor.

É isso aí, por hoje é só, e fiquem com a República de Darokin!

See ya o/


A República de Darokin


Geografia


Darokin é uma das mais ricas nações do Mundo conhecido, entretanto, sua riqueza não é tão notável quanto nas outras nações. Em Darokin, as riquezas estão bem mais distribuídas pela população, onde os plebeus de Darokin são vivem notavelmente melhor do que os das outras nações.

A terra é rica: as Streel Plains, onde metade da população do reino vive, se localiza no centro da nação. Os fazendeiros das Streel Plains cultivam uma quantidade tão grande de alimentos que seria possível alimentarem duas vezes a população do reino. Bem próximo às planícies, está o Lago Amsorak, um gigante lago de água doce muito rico em peixes.

A abundância da agricultura corresponde a apenas metade de toda a riqueza da República de Darokin. A outra metade provém da formidável classe mercante, que carrega todo o excesso da produção para as outras nações, retornando com tesouros e outros bens de consumo dos mais variados e distantes lugares. Darokin possui apenas um grande porto, Athenos, forçando grande parte dos mercadores a viajar por terra. Conseqüentemente, é comum que sempre haja trabalhos para aventureiros ou mercenários que estejam interessados no trabalho de escolta.

Há algumas cidades grandes na República de Darokin: a mais notável é sua capital, a Cidade de Darokin, que funciona como o grande centro comercial de todo o reino; Selenica, no sudeste do reino, funciona como um centro de distribuição das rotas, contando com diversos caminhos para Karameikos, Ylaruan, Rockhome e Thyatis; e também a cidade de Corunglain, uma cidade que mais parece uma fortaleza localizada na fronteira com as Broken Lands.

Uma outra coisa notável em Darokin é o fato de que todo o Reino de Alfheim está localizado e circundado pelo território Darokiniano. As relações entre Elfos e Humanos são boas.

Algumas áreas perigosas da República de Darokin são o Pântano Malpheggi (Malpheggi Swamp) ao sul, onde há diversos monstros, as Orclands, que oficialmente fazem parte do reino, mas na verdade estão nas mãos dos humanóides (Orcs, Goblins, Bugbears, etc).


História

Darokin sempre foi uma terra de conflitos entre humanos e humanoids, até o tempo em que os Elfos migrantes vindos do oeste chegaram à região e se situaram, fundando o reino de Alfheim. Com a ajuda dos Elfos, o equilíbrio da região foi alcançado e o clã de humanos conhecido como Eastwind fundou o reino. Mais tarde o Reino ganhou o nome do membro mais importante do clã, Ansel Darokin. Mais tarde, o poder sobre a região foi passado para o clã Attleson, que lentamente foi cortando o contato com os Elfos, até que essa falta de contato se tornou inimizade, e conseqüentemente em guerra. A batalha ficou conhecida como Elfwar. Os Orcs se aproveitaram da situação, sitiando a cidade de Corunglain e depois saqueando todas as suas riquezas antes que os Humanos e Elfos colocassem um final no conflito inútil e sem motivos.

Depois da morte do último rei de Darokin, Santhral II, no ano de 723 AC, a política do reino se tornou bastante agitada, até o ano de 927 AC, quando as casas mercantes mais ricas e as famílias nobres concordaram em centralizar o governo, transformando-o em uma república.


O Povo

Os Darokinianos são uma população heterogênea, formada a partir de vários povos e etnias, e com as mais diversas constituições físicas, cabelos e olhos de diversas cores e uma pele mais escura que o normal.

Eles são trabalhadores notórios, e a maioria deles é motivada pela busca de sucesso ou riquezas. Cada geração quer viver e educar seus filhos melhor do que a geração anterior, para que seu futuro seja sempre mais promissor. Os Darokinianos também são absolutamente anti-guerras ou qualquer solução violenta para os problemas, eles preferem resolver todas as diferenças na diplomacia. Há um serviço nacional diplomático conhecido como Soldados Diplomaticos Darokinianos (Darokinian Diplomatic Corps), cuja função é tentar resolver problemas internos ou externos de maneira pacífica.


Governo e Religião

Hoje em dia, apesar de se nomear uma República, Darokin é uma Plutocracia (Onde o poder é exercido pelos mais ricos), porém, uma plutocracia muito diferente das tradicionais. Os governantes de Darokin acreditam que manter o padrão de vida alto e focar as leis nos níveis sociais faz com que os trabalhadores fiquem entusiasmados com a ascenção social. Até agora este modelo tem se mostrado bastante eficiente.

As casas mercantes são o verdadeiro poder político na nação. A Guilda dos Mercadores detém o monopólio sobre as trocas comerciais e os não-membros não são autorizados a negociar com os membros. Neste caso, não fazer parte da Guilda de Mercadores significa que você não faz negócios e por conseqüência não ganha dinheiro. O governante da nação é o Chanceler, que atua como Presidente do Conselho Interno Mercante, e controla a Guilda dos Mercadores. O Chanceler é apoiado pelos líderes das mais importantes Casas de Comercio.

Devido à diversidade cultural, as religiões do reino são as mais variadas possíveis. Não há uma religião oficial em Darokin, e basicamente qualquer um dos cultos religiosos do Mundo Conhecido são praticados aqui.