1 de junho de 2009

Campanha do Paço #11 - Como matar um grupo em 1 sessão!


Olá pessoas, estou aqui no Pós-Sessão para relatar como é bom estar de volta (Ou nem tanto assim). Nosso intrépido grupo de aventureiros estava com muito boa vontade para começar uma campanha, porém nem tanta assim para terminá-la (ou não).


Tudo começa na pequena cidade de Ankorros, a Caruaru de Mystara. Cada um com seu respectivo motivo rumou para lá para encontrar seu trágico fim. O grupo estava então composto por três pessoas bem peculiares. Um mago megalomaníaco, um demônio fedorento e um pastor da Universal. Nota-se que tinha tudo para dar certo.


Depois de presenciar um discurso insano do prefeito Guss, Orlando, o demônio barbado fedorento acabou encontrando um corpo em um beco. O cranio estava perfurado com uma precisão cirurgica e o cérebro havia sumido. Tratou de chamar seus companheiros para averiguarem o ocorrido.


Depois de algum tempo, descobriram que Jonas Cuthbert, o chefe da guarda havia desaparecido alguns dias antes, logo depois do prefeito começar a ficar estranho. Descobriram também que uma recompensa estava sendo oferecida pelos membros da guarda da cidade àquele que trouxesse notícias sobre seu chefe. Não foi preciso dizer que o nosso intrépido grupo de aventureiros aceitou sem pestanejar.


Algum tempo de investigação passado, acabaram por chegar na Floresta da Donzela (que não era tão "donzela" assim) em uma casa abandonada. Parecia uma casa mal assombrada comum, porém, se revelou como o ponto de encontro de alguem ou alguma coisa, e também a entrada de um lugar muito sombrio.


Na casa, os excêntricos heróis acabaram encontrando um cetro mágico, com poderes sobre o clima e sobre o frio. Nosso amigo Orlando, o demônio fedorento, recebeu um aviso mental para deixar tudo onde estava, que não foi acatado pelo amigo Pastor da Universal, que carregou o artefato dentro da mochila em direção a estalagem.


Grande erro! Durante a noite, nossos amigos foram atacados por uma bizarra criatura feita de cérebros e tentáculos que parecia ter saído de um hentai barato. Em apenas uma mordida, arrancou a cabeça do pastor, com duas, arrancou a cabeça do Demonio fedorento. E, por último, num ato de extrema sagacidade, Magnus, o magnífico, que já tinha escapado da criatura, volta para socorrer seus amigos e receber um Cone de Gelo direto na cara. Era uma vez um grupo...


Paciencia =/ Semana que vem tem mais.


Queria pedir desculpas pra galera, eu não queria matar o grupo inteiro, mas acabou sendo algo que se fez necessário por conta do erro do pastor em carregar o cetro.


Logo logo eu posto o prelúdio e os dados da nova sessão.


See Ya!

7 comentários:

Calabouço do Medonho disse...

Nossa, que mestre maligno que você é, hehehe. Eu sou mais bonzinho, eu os puniria mas não com a morte. Quem sabe com um monstro que eles possam derrotar.

Rafael Formiga disse...

Foi a maldição de Magnus.
Nas outras duas vezes que tentei jogar com esse personagem as mesas morgaram.


Pensamento do dia: reze para que dentro do próximo piano exista REALMENTE um vampiro.

Careca disse...

Não foi exatamente uma punição. Foi uma consequência decorrida dos atos dos personagens!

Mi disse...

Não chagaram nem na charada? Aaaaah! Assim não vale...
Quem era o Pastor?

Hypnos disse...

O nome era Silas Malfay em homenagem a Silas Malafaia.

Ele era ganancioso. Acha mesmo que ele iria deixar um cetro que vale mais de 20.000 PO boiando num piano. Logico que nao =D

Hypnos disse...

E adorei o termo "Pastor da Universal" =D

Henrique disse...

Pena que não deu certo. Boa sorte na próxima!

Agora, quando você diz pastor da universal, você não quer dizer pastor da universal, né?
Qual seria a divindade?